sexta-feira, 14 de setembro de 2012

ATÉ À FAJÃ DOS CUBRES

A estrada para a Fajã dos Cubres ainda exibe os efeitos das invernias e chuvadas e derrocadas do último Inverno. Os carros, muitos deles táxis e carrinhas que vão buscar turistas caminheiros que terminam nos Cubres o trilho mais famoso da ilha, o da Caldeira de Santo Cristo, procuram evitar o mais possível o precipício. Lá em baixo mora o mar que lambe sob os meus pés atrevidos os calhaus rolados num vaivém incessante. A fajã, cuja lagoa é mais pequena que a da Caldeira do Santo Cristo, surge como quase sempre nestas descidas, a meio do caminho. Lá estão a Ermida da Nossa Senhora de Lourdes, junto à qual assistirei mais tarde a uma festa de Verão muito concorrida por emigrantes em férias e os últimos campos cultivados, o último milho, as últimas vinhas. cubres 1 cubres 2 cubres 3 cubres 4

Sem comentários:

Publicar um comentário