sexta-feira, 7 de setembro de 2012

ANTÓNIO ENES

antonio enes Um sábado na Calheta encontrei António Enes em família, de violão na mão, a tocar com o filho e outros familiares e amigos ao fim de um almoço prolongado e bem jorgense: “Prove o nosso queijo. Coma, você não come nada” “Há 50 anos”, conta o tocador jorgense, “não havia nenhum entretenimento nocturno. O meu pai foi o melhor tocador de viola da terra na ilha e os serões eram passados em redor da viola”. Os pais de António Enes compraram o segundo aparelho de rádio do concelho da Calheta. Até aí os vizinhos juntavam-se em redor da viola. “O meu pai tocava, o meu irmão também, eu tocava um bocadinho de violão e apareciam sempre os amigos. Depois veio o rádio mas continuámos sempre atocar”. António Enes toca em sessões de fado amador, em tertúlias, num grupo etnográfico e “a sério”, como gosta de salientar, no grupo de música popular portuguesa “Tributo”: “Gravámos três cd’s e já andámos por muitos lugares. Corremos as ilhas todas, o continente, Cabo Verde, Canárias,Brasil, Estados Unidos, estivemos na Expo de Hannover…” Apesar de ser apontado em toda a ilha como um dos melhores senão o melhor, António Enes é um homem modesto: “Dá-me mais prazer tocar integrado nos grupos. Sou um músico de acompanhamento. Toquei sempre em grupos”. A música popular e nomeadamente a viola da terra parecem ressurgir em força em São Jorge, impulsionadas pelo renascimento dos bailes regionais. “Há dez anos atrás pensei que iria morrer tudo mas tem vindo a renascer tudo com muita força. Houve uma abertura de escolas nas sociedades,tem havido muita formação musical e há um grande renascimento”, Os bailes que antigamente se organizavam pelas matanças do porco regressaram mas agora realizados nas sociedades recreativas."O meu pai era do Topo, uma espécie de ilha dentro da própria ilha. O Topo era uma zona de pobreza. E ele contava que se infiltravam nas festas que as famílias organizavam nas matanças para participar nos bailes”. Os homens do Topo inventaram mesmo uma dança, “Os Pêssegos”, na qual cantavam uma parte na rua esperando que o dono da casa os convidasse a entrar e a ficar no baile. “Hoje, esses bailes de roda estão reactivados, é bom ver que estamos numa fase de recuperação das nossas tradições”.

Sem comentários:

Publicar um comentário