segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

EM CASA DE JOSÉ SERPA

Serpa Flores 150 Flores 152 A Costa do Lajedo, na costa sul da Ilha das Flores, é um daqueles lugares que facilmente confundimos com o paraíso. As arribas recortam entre fios ou mantas de nevoeiro um vale muito verde e idílico em frente ao mar ora manso ora turbulento dos Açores. Foi na Costa do Lajedo que nasceu e viveu até aos 18 anos o tocador e construtor de violas da terra José Agostinho Serpa. Depois de 27 anos na Ilha Terceira, decidiu regressar, para viver da natureza, do que consome (é vegetariano) e da música. “O meu avô era dono da mercearia Serpa, ali mais a cima. Foi lá que nasci. Ele tocava violino. O meu pai tocava bandolim. Ele próprio construiu o instrumento”. Cedo, José Serpa começou a escutar a música tradicional que se fazia na Costa do Lajedo. “Todos os fins de semana havia bailes nas casas dos senhores mais prestáveis, bailes à luz da vela ou de candeeiro alimentado a azeite de baleia”. Os bailes desapareceram no tempo mas a paixão de José Serpa pela música permaneceu. “Pedi uma viola eléctrica emprestada e fiz uma na oficina do meu avô”. Começou a aprender sozinho porque mais ninguém tocava nessa altura na Costa do Lajedo. “Não havia estrada. Ía a pé pela montanha acima e depois procurava apanhar a carreira para Santa Cruz. Na escola, era pior. O nosso transporte para lá era na camioneta de carga que transportava as vacas para o porto. Eramos trinta e tal desta parte da ilha que íamos assim, estudar para Santa Cruz. Eu enjoava com a fumaceira debaixo da lona”. Saíu da Ilha das Flores para frequentar a Escola Militar em Lisboa. “Foi um choque enorme. Imagine o que é sair daqui para Lisboa…Tive a felicidade de ter como superior na escola Manuel Faria, dos “Trovante”. O Manuel Faria ensinou-me muito na guitarra clássica. O Luís Represas passava por lá ao fim de semana e tocávamos juntos”. Como José Serpa não tinha instrumento, Manuel Faria combinou com outros amigos comprarem-lhe uma viola. “Eu tinha trazido a harmónica das ilhas e para o final tocávamos nos salões privados do Casino do Estoril”. Mais tarde, chegou a viver em São Miguel. “Fazia placards publicitários. Até que um dia o avião que seguia das Flores para São Miguel avariou e tive de ficar na Terceira. Em Angra do Heroísmo encontrei um primo afastado que me convidou a ficar lá a trabalhar como técnico de electrónica e electrodomésticos. Fiquei 27 anos…” Na Terceira, além de reparar aparelhos, foi técnico de som. “Foi como técnico de som que conheci muitos músicos do continente, desde o Paulo de Carvalho aos Heróis do Mar”. Foi lá também que conheceu a família Lobão, uma família de construtores de violas. “Acabei por decidir construir o meu primeiro instrumento, um violão de 12 cordas. Depois, construí várias violas”. A partir de determinada altura, José Serpa decidiu inovar: “Para o Dia dos Namorados, decidi construir um instrumento com a forma de dois corações e com um som semelhante à mistura do cavaquinho e do bandolim”. Mais tarde, fez uma viola com formato de peixe e outra em forma de S, o S de Serpa. Das suas criações, expostas na internet na sua página pessoal (http://joseserpa.no.sapo.pt/) a preferida é a “violira”, um misto de viola e lira. serpa 4 serpa 2 serpa 3 José Agostinho Serpa, que já compôs e editou em cd cerca de 50 composições, mudou-se de armas e bagagens há cerca de dois anos para o lugar onde nasceu. Continua a trabalhar em reparações de electrodomésticos mas dedica cada vez mais tempo à construção de violas da terra. No Verão, a altura do ano em que a Ilha das Flores é mais visitada, Serpa toca num trio “Os Amigos da Música” animando grupos turísticos no Inatel de Santa Cruz e na aldeia turística da Cuada, perto da Fajã Grande e do paradisíaco Poço da Lagoinha. serpa 5 serpa 6 serpa 7 “A viola da terra já esteve praticamente votada ao abandono na Ilha das Flores. Hoje existem aí dois ou três tocadores”, explica Serpa, que ainda escreve para o jornal local “O Monchique”. Desde há cerca de dois anos que vive na casa que construiu juntamente com a esposa Luísa, artesã, num recanto mágico da Costa do Lajedo. “Regressei à Ilha das Flores para a meditação, para a paz. Este lugar tem muito mais energia. Produzimos aqui 90 por cento da nossa alimentação, vegetariana e fruto da agricultura biológica”. Flores 150

2 comentários: